Dia da Liberdade de Software

“Software livre” é o software que respeita a liberdade e o senso de comunidade dos utilizadores. Isto, significa que os utilizadores têm a liberdade de executar, copiar, distribuir, estudar, mudar e melhorar o software. Assim sendo, “software livre” é uma questão de liberdade, e não de preço.

Com esta liberdade, os utilizadores gerem o programa de acordo com as suas necessidades.

Um programa é software livre se os utilizadores tiverem as quatro liberdades essenciais:

1- A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito.

2- A liberdade de estudar o funcionamento de um programa, e adaptá-lo às suas necessidades.

3- A liberdade de redistribuir cópias.

4- A liberdade de melhorar o programa e de tornar as modificações públicas de modo que a comunidade inteira beneficie da melhoria

O software que siga estes quatro princípios é chamado de "Software Livre" (ou Free Software).

Um programa livre deve oferecer as quatro liberdades a todos que obtenham uma cópia do software, desde que o utilizador tenha notado até ao momento com as condições da licença livre que cobre o software.

Contudo, a escolha das aplicações que adoptamos pode também ter por base as licenças de utilização destas, isto é, se queremos depender de software proprietário, cujas regras são definidas por uma empresa que geralmente tem fins lucrativos, ou se queremos ser livres e usar software gratuito em que temos permissão para fazer tudo ou quase tudo – como por exemplo partilhar o software com um amigo sem estarmos a cometer pirataria.

Software proprietário, são as empresas de software quem decide as funcionalidades existentes e os limites de utilização — impedindo por exemplo a partilha do programa ou a sua modificação.

O software livre distingue-se do proprietário por não ser propriedade de uma entidade central; é das pessoas, ou seja, é desenvolvido por quem quiser ‘contribuir’ e o código está disponível de forma aberta, ao acesso de todos. O software livre pode, contudo, ser desenvolvido por uma empresa ou por um grupo de pessoas.

Vantagens e desvantagens do software livre:

Uma característica importante do software livre é o compartilhamento de código-fonte. Esse compartilhamento pode simplificar o desenvolvimento de novas aplicações, que não precisam de ser programadas a partir do zero. Essa vantagem tem impacto significativo na redução de custos. Além de que um maior número de programadores pode ser capaz de identificar e corrigir mais bugs em menos tempo.

Do ponto de vista económico, o software livre promove o estabelecimento de vários fornecedores com base no mesmo software. A competição entre fornecedores traz vantagens, como melhorias nos serviços de suporte e redução nos preços de pacotes.

A pouca experiência do mercado em lidar com o software livre e o próprio facto do software ser gratuito, podem gerar dúvidas sobre a viabilidade económica ou a qualidade deste. Estes conceitos estão a ser discutidos aos poucos, pois algumas empresas defendem que é mais vantajoso contribuir com o software livre do que investir na construção de um novo software semelhante e proprietário.

Use as palavras certas ao falar de software livre

Quando falamos sobre software livre, é melhor evitar termos como “dado” ou “grátis”, porque estes termos implicam que a questão é o preço, não a liberdade.

Há quem use o termo “código aberto” (do inglês open source) com um significado parecido (mas não idêntico) ao de “software livre”. Nós preferimos o termo “software livre” porque, uma vez que se refere à liberdade ao invés do preço, traz à mente a liberdade. A palavra “aberto” nunca se refere à liberdade.